Lista de árbitros cadastrados na Confederação Brasileira de Jogo de Damas

Somente serão homologados e movimentarão o rating nacional os eventos que forem organizados por um dos árbitros abaixo relacionados.

Requisito mínimo para que um evento seja homologado é que os arquivos do Swiss Perfect sejam encaminhados em até 48 horas para a direção técnica da Confederação Brasileira de Damas, assim como um pequeno descritivo do evento informando tempo de jogo, possíveis irregularidades ocorridas e qualquer informação adicional que o árbitro julgar importante. Também é importante o encaminhamento de fotos do evento para a devida divulgação dos resultados e dos participantes.

NomeCidadeEstadoCategoriaAnuidade/2016Situação 
Édson Nogueira DuartePaulíniaSão PauloNacional Pleno250 ReaisAberta
José Cristóvão SantoroSalvadorBahiaNacional Pleno250 ReaisAberta
Lélio Marcos Luzes SarcedoSão Caetano do SulSão PauloNacional Pleno250 ReaisAberta
Roberto Telles de SouzaRio ClaroSão PauloNacional Pleno250 ReaisAberta
Sidnei Oliveira SouzaOsvaldo CruzSão PauloNacional Pleno250 ReaisAberta
Adalberto Soares de OliveiraSete LagoasMinas GeraisEstadual Pleno100 ReaisAberta
Adolfo Pereira da Silva FilhoItararéSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Adriano Augusto LucasSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Alan Rogério de AlmeidaJundiaíSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Alvacir Augusto FerreiraCampinasSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Américo Antonio Iziodoro BorgesJunqueirópolisSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Ana Célia Figueira MalavasiSão Caetano do SulSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Ana Paula Freitas SouzaParapuãSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Antonio Carlos de AlmeiraCampinasSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Aroldo Silva SoaresAssisSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Benedito MartinsBelo HorizonteMinas GeraisEstadual Pleno100 ReaisAberta
Bruno BomfimPereira BarretoSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Carina Correia do CarmoJunqueirópolisSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Carlos William dos Santos RochaAdamantinaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Caroline AlmeidaÁguas de LindóiaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Celso Massayti KawanoVotuporangaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Cenílio Alves TeixeiraBelo HorizonteMinas GeraisEstadual Pleno100 ReaisAberta
Charles Rodrigues dos SantosDistrito FederalDistrito FederalEstadual Pleno100 ReaisAberta
Claudemir Theodoro JuniorÁguas de LindóiaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Daiane Sabino RussoOsvaldo CruzSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Daniel Julio dos Santos NegriSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Daniel Passos SilvaAbaetetubaParáEstadual Pleno100 ReaisAberta
Diana Kazue YamautiParapuãSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Diogo Menezes FerreiraPereira BarretoSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Djair QuintanilhaRio de JaneiroRio de JaneiroEstadual Pleno100 ReaisAberta
Donizetti MiguelAssisSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Douglas Menezes FerreiraPereira BarretoSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Edmar JúniorDistrito FederalDistrito FederalEstadual Pleno100 ReaisAberta
Emanuel Ricardo VazItararéSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Erisvaldo Carlos PereiraCaratingaMinas GeraisEstadual Pleno100 ReaisAberta
Estevão Tavares NetoSão Bernardo do CampoSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Euclides Francisco Oliveira JúniorDistrito FederalDistrito FederalEstadual Pleno100 ReaisAberta
Fagner André Rodrigues Da SilvaÁguas de LindóiaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Felipe Gabriel MarinoIracemápolisSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Gabriela OliveiraRio de JaneiroRio de JaneiroEstadual Pleno100 ReaisAberta
Gedson Moraes PedrotiItararéSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Geraldo MangelaRio de JaneiroRio de JaneiroEstadual Pleno100 ReaisAberta
Giovani Alves GonçalvesAvanhadavaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Giovani Guimarães PigozziDracenaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Gleber Antonio RibeiroCerquilhoSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Helton Muller PedroBotucatuSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Ivonil Marcos PedrosoAssisSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Jair Antonio Bueno JuniorSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Jefférson SantosDistrito FederalDistrito FederalEstadual Pleno100 ReaisAberta
Jorge William Lopes de SousaParapuãSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
José Antonio TeixeiraDuque de CaxiasRio de JaneiroEstadual Pleno100 ReaisAberta
José Carlos AlvesRio de JaneiroRio de JaneiroEstadual Pleno100 ReaisAberta
José CorreiaJunqueirópolisSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
José João SantosGoiâniaGoiásEstadual Pleno100 ReaisAberta
Jossimar Rogerio de PáduaGuarulhosSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Juliano BarangelloSão ManuelSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Leandro Bruno FelícioIgaraçu Do TietêSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Leandro Orlandini Garcia de JesusParapuãSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Leonardo Parra VigoOsvaldo CruzSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Linneu Mendes MonteiroRio de JaneiroRio de JaneiroEstadual Pleno100 ReaisAberta
Litério João GreccoFernandópolisSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Lucio Rodrigues JuniorTietêSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Luis Carlos GeremiasItararéSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Marcelo EinhornRio de JaneiroRio de JaneiroEstadual Pleno100 ReaisAberta
Marcio Pinheiro de GodoyÁguas de LindóiaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Marcone Barretos Lopes SantoroSalvadorBahiaEstadual Pleno100 ReaisAberta
Marcos Antonio LopesRio ClaroSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Marcos EllersonItapetiningaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Marcos Santos AraújoSalvadorBahiaEstadual Pleno100 ReaisAberta
Mário Barbosa MarquesGoiâniaGoiásEstadual Pleno100 ReaisAberta
Moisés Correis JúniorNova OdessaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Moisés Santos TeixeiraSuzanoSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Nadim Yehia NaufalAssisSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Norberto Ronualdo JuniorÁguas de LindóiaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Oziel Souza de CarvalhoSão Caetano do SulSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Paulo Júnio KozanDracenaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Paulo Machado Coelho SilvaAbaetetubaParáEstadual Pleno100 ReaisAberta
Paulo Sérgio de CastroNiteróiRio de JaneiroEstadual Pleno100 ReaisAberta
Ramon EustáquioGoiâniaGoiásEstadual Pleno100 ReaisAberta
Renata SaraivaSão PauloSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Ricardo Teixeira PenteadoSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Rodrigo Malafaia Cornachione LinoLucéliaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Rogério TavaresVitóriaEspírito SantoEstadual Pleno100 ReaisAberta
Rosecarla Lopes AlvesDracenaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Sebastião FerreiraPereira BarretoSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Telma Ribeiro dos SantosÁguas de LindóiaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Valdenor José de LimaPatos de MinasMinas GeraisEstadual Pleno100 ReaisAberta
Vinicius Campos CardosoBotucatuSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Wendel Rodrigo de AssisMogi GuaçuSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Wesley Diego Souza SilvaAraçatubaSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
William Bucco de CarvalhoCampinasSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta
Wilson José Rodrigues de OliveiraBotucatuSão PauloEstadual Pleno100 ReaisAberta

Regimento Interno do Departamento de Árbitros da Confederação Brasileira de Jogo de Damas

Regimento Interno do Departamento de Árbitros da Confederação Brasileira de Damas

Artigo 1º. – O Departamento de Árbitros da Confederação Brasileira de Damas está estruturado de acordo com as seguintes categorias:

1. Conselho Nacional de Árbitros – Formado pelo presidente da Confederação Brasileira de Damas e mais 4 membros por ele designados.

b . Diretor de Prova – nomeado pela organização do evento e com respectiva validação do Departamento de Árbitros;

c . Árbitro Nacional Pleno - nomeado pela Confederação Brasileira de Damas após cumprir os requisitos impostos pelo Departamento de Árbitros;

d . Árbitro Nacional Assistente - nomeado pela Confederação Brasileira de Damas após cumprir os requisitos impostos pelo Departamento de Árbitros;

e . Árbitro Estadual Pleno - nomeado pelas Federações Estaduais e validado pelo Departamento de Árbitros da Confederação Brasileira;

f . Árbitro Estadual Assistente - nomeado pelas Federações Estaduais e validado pelo Departamento de Árbitros da Confederação Brasileira;

Artigo 2 º - O Conselho Nacional de Árbitros se reunirá periodicamente para analisar a tendência dos eventos em todo o país para decidir sobre possíveis mudanças nos regulamentos de competição.

Artigo 3º. – O Diretor de Prova será designado pela organização do evento e o mesmo deverá ser credenciado na Confederação Brasileira de Damas, pois o mesmo terá a função de gestor do evento.

Artigo 4º. – O Árbitro Nacional Pleno está apto a ser o árbitro principal de qualquer evento realizado em todo o território nacional.

Artigo 5º. – O Árbitro Nacional Assistente está apto a ser o árbitro auxiliar do Árbitro Nacional Pleno e poderá atuar na função de árbitro principal de qualquer evento realizado em todo o território nacional se receber a respectiva autorização do Departamento de Árbitros.

Artigo 6º. – O Árbitro Estadual Pleno poderá atuar como Árbitro Nacional Assistente se receber a respectiva autorização do Departamento de Árbitros e está apto a ser o árbitro principal de qualquer evento a nível estadual ou regional.

Artigo 7º. –O Árbitro Estadual Assistente poderá atuar como auxiliar do Árbitro Estadual Pleno.

Artigo 8º. - Nenhum árbitro, salvo se especificamente autorizado, pode deixar de cumprir as normas previstas no Artigo 7o. e qualquer comportamento diferente constitui uma violação de disciplina.

Artigo 9 º - Para serem capaz de arbitrar regularmente os árbitros devem estar em conformidade com o pagamento da taxa para o ano em curso, de acordo com o estabelecido pela direção do Departamento de Árbitros.

Artigo 10 – A idade mínima para ser aceito no quadro de árbitros é de 16 anos de idade completos.

Artigo 11 – A qualificação e promoção de árbitros poderá ser feita a nível regional, estadual ou nacional e todos os árbitros deverão acompanhar as diretrizes definidas anualmente pelo Departamento de Árbitros para se manterem no quadro de árbitros ativos, devendo, inclusive, recolher a Taxa de Cadastro Nacional anualmente de acordo com os valores definidos pela Confederação Brasileira de Jogo de Damas.

Artigo 12 – As Federações Estaduais deverão encaminhar por escrito para o Departamento de Árbitros da Confederação Brasileira de Damas a solicitação para a homologação de um novo árbitro, devendo para isso atender todas as exigências do Departamento de Árbitros da Confederação Brasileira.

Artigo 13 – Periodicamente o Departamento de Árbitros da Confederação Brasileira de damas realizará cursos de reciclagem e curso de formação de novos árbitros abordando os seguintes temas:

· Regulamento do jogo de damas brasileiro

· Regras do jogo de damas internacionais

· Regulamento das competições da Confederação Brasileira de Damas e suas filiadas

· Sistemas de Emparceiramento

· Uso do relógio mecânico e digital

· Rating

· Regras de Arbitragem

· Formas de organizar eventos

Artigo 14 – Os cursos de atualização são encontros para a maior difusão possível de mudanças ocorridas ou que irão ocorrer nos regulamentos e para o aprofundamento dos itens listados no Artigo 13.

Artigo 15 - Para participar dos cursos haverá a necessidade de se pagar uma taxa de inscrição, como uma contribuição para os custos organizacionais e esse custo será definido pelo Departamento de Árbitros.

Artigo 16 – Todo final de ano o Departamento de Árbitros fará uma avaliação de todos os árbitros cadastrados e poderá realizar exames para definir a requalificação dos árbitros, com o objetivo de elevá-los de categoria e mantê-los atualizados e esses exames serão compostos de :

· Uma entrevista e / ou questionários para comprovar o conhecimento das normas em vigor

· Testes práticos de arbitragem

· Conhecimento de sistemas de computador e software de gestão de trabalho na organização dos eventos

Artigo 17 - O número de árbitros para ser usado em uma competição deve ser compatível com o número esperado de participantes e aconselha-se pelo menos sempre, no mínimo, um Diretor de Prova, um árbitro para cuidar da parte de emparceiramento e softwares e um árbitro para atuar no salão.

Artigo 18 – O Diretor de Prova tem a função básica de cuidar da qualidade do salão de competição, atendendo os requisitos exigidos no Codex para dar plenas condições de trabalho ‘a equipe de arbitragem e, juntamente com os árbitros, eles formam a Direção da Prova.

Artigo 19 – É responsabilidade de todo árbitro transmitir, dentro de no máximo 48 horas a partir do final do evento, todas as informações técnicas do evento finalizado, de acordo com os itens solicitados pelo Departamento de Árbitro da Confederação Brasileira de Damas.

Artigo 20 – O árbitro será remunerado pelo seu trabalho no mínimo de acordo com a tabela estipulada anualmente pelo Departamento de Árbitros da Confederação Brasileira de Damas.

Artigo 21 - O árbitro é o juiz de todos os assuntos relacionados com os fatos do jogo e o relator de cada ocorrência de incidentes, durante todo o desenrolar do evento, portanto, no desempenho dessa tarefa, o árbitro deve ser a expressão de eficiência e imparcialidade , porque ele é necessário para garantir o bom andamento do evento, devendo agir com tato e cortesia e fazer seu trabalho sem tomar atitudes como protagonista.