Clube Bonfim, de Campinas, o mais antigo clube de jogo de damas do Brasil

Clube Bonfim, de Campinas, o mais antigo clube de jogo de damas do Brasil !!

Foi em uma manhã de domingo, 09/03/58, portanto, há mais de 50 (cinquenta) anos, que os primos, Écio Poggetti e Oswaldo Pogetti, dirigiram-se à antiga sede social do então Bonfim Futebol Clube (Av. Gov. Pedro de Toledo nº 1.161), a fim de obter maiores informações pois, ao abrirem o jornal Correio Popular de Campinas naquela manhã, Écio leu a minúscula notícia: “O Deptº. Social do Bonfim F. C. comunica a seus associados que os jogos de salão Damas, dominó, xadrez etc... continuam à disposição dos mesmos, todas as noites, das 20 às 22:30”

Damistas que fizeram a história do Clube Bonfim de Campinas

Damistas que fizeram a história do Clube Bonfim de Campinas

Lá chegando, foram recebidos pelo então secretário e diretor de plantão, William Bucco de Carvalho, que, por coincidência, desde criança, era um aficionado da modalidade e estranhara a informação veiculada pelo jornal, visto que era o secretário da diretoria, praticava constantemente o jogo e nada sabia sobre atividades da modalidade, à noite, nos recintos do clube.

Entretanto, para que os primos Poggetti não perdessem a viagem, William convidou-os para jogar em sua sala, sob a promessa de que iria apurar melhor a notícia e de que eles poderiam voltar, no domingo seguinte, para um novo encontro e os devidos esclarecimentos.

Osvaldo Pogeti logo voltou para casa, mas William e Écio jogaram damas naquele domingo durante o resto do dia, sem nem sequer pararem para o almoço. Nascia ali uma grande amizade.

O então “Bonfim Futebol Clube”, nome oficial na época, presidido pelo saudoso bonfinense Alcindo Ferreira da Silva, era um clube projetado na cidade pelo seu forte futebol amador, e já contava com uma estrutura organizacional muito boa tendo, na composição de sua diretoria, departamentos autônomos muito atuantes, dentre os quais se destacavam além do social, o de basquetebol, comandado por Walter Belenzani e o de motociclismo, que todos os anos durante o carnaval, desfilava pela Av. Gov. Pedro de Toledo e demais ruas do bairro do Bonfim e da cidade, com centenas de motocicletas.

Planilha de jogo de damas do Clube Bonfim de Campinas

Planilha de jogo de damas do Clube Bonfim de Campinas

O então “Bonfim Futebol Clube”, nome oficial na época, presidido pelo saudoso bonfinense Alcindo Ferreira da Silva, era um clube projetado na cidade pelo seu forte futebol amador, e já contava com uma estrutura organizacional muito boa tendo, na composição de sua diretoria, departamentos autônomos muito atuantes, dentre os quais se destacavam além do social, o de basquetebol, comandado por Walter Belenzani e o de motociclismo, que todos os anos durante o carnaval, desfilava pela Av. Gov. Pedro de Toledo e demais ruas do bairro do Bonfim e da cidade, com centenas de motocicletas.

Em 10/03/1958 (2ª f.), portanto logo no dia seguinte, a diretoria do clube, que se reunia normalmente às segundas-feiras, a pedido do William, incluiu o assunto na pauta da reunião e decidiu-se, por unanimidade, criar mais um departamento – o do Jogo de Damas.

Uma semana depois, quando voltou, Écio Poggetti foi informado por William de que se tratava de um comunicado do Deptº. Social do clube, apenas com a finalidade de angariar novos associados mas que havia recebido autorização da diretoria para a fundação de um novo departamento.

William e Écio optaram então pela data de 10/03/58 (2ª f.), para ser o dia da fundação do Deptº. por ter sido o dia da reunião da diretoria do clube.

E daí, nos domingos que se sucederam, as idéias de torneios foram surgindo e, com eles, os bons damistas campineiros da época, como Conti, Alvacir, Dario, Bereta, Gelásio, Jair (falecido em 27/08/92), Lenine, Zíngaro, Jurandir (irmão do Jair), Simão, Ortega, Bertuzzo, Vicinâncio, Cesário, Quintas, Costa, Serrazes, Pompílio, Romeu, os três de Cosmópolis: Batista, Zé Maria e Almiro, e um pouco depois, Expedito, Laércio, Marcelo, Fernando, Barbosa, Romney, Urbano, Ednaldo, Almeida, Vedolin, Geraldo, Celso, Valdecir Ney e muitos outros.

Em 1.961 foi realizado o “I Campeonato Campineiro Individual”, cujo campeão foi Écio Poggetti e depois, uma vez por ano, esses campeonatos se repetiram.

Em 1.963 o Deptº. deliberou convidar alguns damistas renomados da época, para virem até a sede do clube para algumas partidas simultâneas. Foi convidado então o mestre russo Waldemar Bakumenko e, logo em seguida, outro mestre da época, o português Carlos Alberto Ferrinho, ambos recém-chegados ao Brasil.

O sucesso foi absoluto e o impulso no damismo da cidade foi imenso.

Nasceram, inevitavelmente, novas amizades e surgiram também outras equipes para enfrentar a equipe Bonfinense que, naquela época, não jogava com apenas quatro jogadores mas sim com cinco ou, às vezes, até seis.

Assim apareceu, liderando mais quatro damistas do bairro da V. Nova, o então jovem Alvacir Augusto Ferreira que, mais tarde, se tornou presidente da Federação Paulista e, em 1968, sagrou-se campeão do “I Campeonato Popular”, já com 40 edições.

Em 1.970, mais confrontos por equipes e, desta vez, intermunicipais: o Bonfim foi

jogar em Piracicaba, quando Jair de Oliveira, do Bonfim, empatou com Lélio Marcos Luzes Sarcedo, um piracicabano de apenas quatorze anos de idade e que hoje é o presidente da Federação Paulista do Jogo de Damas.

Na viagem de volta, aquele empate do Jair foi motivo de pilhéria, por ter empatado com um damista tão jovem só que, no ano seguinte, Lélio viria sagrar-se campeão brasileiro.

Assim, o “Deptº. do Jogo de Damas do Bonfim Recreativo e Social”, fundado em 10/03/58 (2ª f.), portanto com 50 anos de idade, é hoje o mais antigo do Brasil em atividade ininterrupta e, juntamente com William e Écio, também foram considerados fundadores, os damistas Osvaldo Pogeti e José Conti, este, “Campeão do 1º Torneio Início de Damas”, realizado em junho de 1958.

Conforme o estatuto da Federação Paulista do Jogo de Damas, elaborado em 05/04/63, o clube Bonfim consta como uma das associações fundadoras da entidade.

É importante, nesta oportunidade, agradecer à direção do clube Bonfim, aos damistas em geral e, principalmente, aos da velha guarda que, de uma forma ou de outra, contribuíram para que se chegasse aos 50 anos de existência ininterrupta, com destaque especial à abnegação do saudoso amigo Écio Poggetti.

Um agradecimento também ao “Correio Popular” que, por muitos anos, nas décadas de 60 e 70, patrocinou vários Campeonatos Campineiros oferecendo a premiação.

De 1.974 a 2.003, o Engº. Expedito Ribeiro, outro apaixonado pela modalidade, juntou-se a Écio e William na condução dos destinos do Departamento.

Em 1976, foi dele a idéia de disputar-se, também anualmente, um torneio ao qual batizou de “Caras e Coroas” e que este ano terá sua 34ª edição.

Expedito Ribeiro tornou-se um damista de primeira linha: em 1984, juntamente com Quintas e Klayton, foi campeão paulista do Open em tabuleiros de 100 casas e em 1993, foi campeão por equipe nos “37º Jogos Regionais de Valinhos” representando Campinas com a camisa do Bonfim e formando uma equipe excepcional ao lado de Écio Poggetti, Manoel Costa, Marcelo Ciro (4º no ranking nacional) e Laércio Gomes da Silva.

Mais tarde juntaram-se ao Expedito, o Urbano, e o Cesário entre outros, para especializarem-se em tabuleiros de 100 casas, a chamada “Dama Internacional” e inúmeros campeonatos desse tipo foram organizados no Bonfim.

Mais recentemente, a partir de 2000, nasceram dentro do clube Bonfim para o mundo damístico, excelentes atletas como Jefferson, Luís Roberto, Renato, Rafael, Martha, os quais em 2002, foram campeões invictos da XVII Olimpesec.

Um fato curioso: Gustavo G. Silva, que pertencia à escolinha de damas do Bonfim e também treinava na escolinha de futebol, como goleiro, profissionalizou-se no Campinas e hoje, com 18 anos é o titular da equipe de juniores do Figueirense/SC. Neste ano, foi campeão da Copa São Paulo e eleito pela crônica esportiva como o melhor goleiro da Copa.

O Deptº. do Jogo de Damas do clube Bonfim tem promovido, anualmente, três competições em tabuleiros de 64 casas: “Caras e Coroas” (33 edições), “Campeonato Popular” (40 edições) e “Campeonato Campineiro” (46 edições).

Manoel Garcia Quintas, o Manolo, com dezessete títulos conquistados, é o maior Campeão Campineiro de todos os tempos (Veja matéria ao lado).

Em 07/10/99 faleceu Écio Poggetti; em 16/02/03 faleceu Expedito Ribeiro, restando agora, à frente dos destinos do Deptº. apenas William Bucco Carvalho, hoje com 68 anos.

Campinas/SP, 11 de fevereiro de 2.008. (2ª f. ).