O tempo não pára

O tempo não pára

Na partida entre Francisco Morato e Jacareí, nos Jogos Regionais de Taubaté, aconteceu um caso interessante nos últimos segundos. Os dois jogadores cometeram irregularidades no calor dos últimos segundos de jogo, com os dois relógios podendo cair e um dos jogadores podendo perder pelo tempo. Éd César de Francisco Morato em determinado momento reclama de uma irregularidade de seu adversário falando que ele havia jogado duas vezes, porém, Éd César tinha acionado o relógio sem jogar. Ambos cometeram irregularidades em função de jogarem rapidamente pelo medo de perderem pelo tempo. Os artigos 65, 66 e 67 do Codex, no www.codexdamas.com.br, tratam do comportamento do jogador em função do relógio. O artigo 67 é claro ao falar: 67. Em caso de conflito, um jogador pode parar ambos os relógios enquanto chama o árbitro. E foi isso que Éd César, de Francisco Morato, fez, parou o relógio e chamou o árbitro. Porém, aí temos uma situação onde o tempo não pára, pois Éd César pousou sua mão em cima dos dois pinos do relógios fazendo o movimento de que iria parar ambos os relógios e chamar o árbitro. O árbitro, Bruno Felício, está perto, filmando esse emocionante final de partida e prontamente vai atender o chamado de Éd César. O árbitro ao dar um passo e ir em direção da mesa vê que a seta do relógio de César Augusto caiu, porém, ele viu que no momento em que Éd César o chamou ambas as setas estavam levantadas. Ele olhou no vídeo que estava fazendo e teve a certeza de que os dois tempos estavam de pé no momento em que Éd César o chamou. E no vídeo também ele constatou que ambos fizeram irregularidades. O árbitro, então, acertadamente, puniu ambos os jogadores com 2 minutos e mandou a partida continuar. Dando um zoom no vídeo no momento em que Éd César pára os dois pinos dos relógios e chama o árbitro podemos ver claramente que Éd César apenas parou o seu relógio e deixou o relógio de César Augusto em andamento. Por isso que quando o árbitro chegou na mesa o relógio de César Augusto caiu, pois seu tempo não parou. O experiente Éd César não parou o tempo de César Augusto, ele parou apenas o seu tempo. Durante uma partida, quando uma situação dessa ocorrer, é importante que o adversário e o árbitro estejam atentos para ver se realmente os tempos de ambos estão parados.

O tempo não pára

O tempo não pára